Realidade Amarga Realidade

Tempo de leitura: 5 minutos

REALIDADE, AMARGA, REALIDADE Percepções intuitivas e preliminares

 

Você não sabe bem, até hoje, se estava dormindo ou acordado. Só lembra que aqueles pontinhos brilhantes, como se fossem fiapos saídos de uma estrela, começaram a entrar  pela  janela  do  seu  quarto  fazendo  uma  dança  estranha  e  envolvente.

Do movimento deles faiscava um brilho especial, que tinha som, formando-se no ar uma melodia de indescritível beleza. Você também nunca se esquecerá da melodia, em compassos  de  três  notas  apenas,  repetindo  uma  palavra  que  ao  mesmo  tempo  se desenhava ante seus olhos, flutuando a um metro e meio do seu rosto:

 

— VAN…GUAR…DA…

 

Você chegou em casa, nessa noite, às voltas com a preocupação de sempre. Com o dinheiro, que já era curto, cada vez mais mordido pela inflação, o custo de vida subindo e os preços disparando, Você é obrigado a cortar mais ainda as suas despesas. Passa a

trabalhar mais do que antes, empenhando-se ao máximo, diminui drasticamente suas horas de lazer, sacrifica sua alegria de viver e não tem tempo nem dinheiro para cuidar da saúde, mas mesmo assim os seus esforços não têm tido um resultado compensador. Você está estressado.

Jantando com a família, Você adiciona novos itens à sua pauta de compromissos: o dentista do filho caçula, o curso de inglês da filha, o aumento das mensalidades da escola, o  urgente  conserto  da  geladeira  que  enguiçou.  Folheando  o  jornal,  Você  já nem  se

espanta com as notícias costumeiras de corrupção, inflação e arrocho econômico, mas

sente um leve aperto no bolso e na fivela do cinto. Vendo um pouco de televisão, Você se

distrai com um filme sobre milionários infelizes e sem caráter e sobre pobres cheios de

dignidade. Abrindo um Livro para ler antes de dormir, Você procura relaxar um pouco

mas sabe que a preocupação e o estresse continuam presentes. Custa a dormir e, quando

consegue, seu sono é intermitente. Qualquer coisinha é pretexto para os pensamentos o

acordarem.

Desta vez foram as gotinhas pingando, na pia do banheiro, e se amplificando nos seus ouvidos insones, que as percebiam como notas musicais, compassadas e hipnóticas. De cada gotinha irrompia uma nota, breve e seca, e a cada três notas Você notava uma pausa, seguida por outro conjunto de três gotas.

Você levantou-se e foi fechar melhor a torneira, mas não adiantou muito. Apenas mudou um pouquinho o ritmo e o tom.

“Chamar um encanador, mais uma despesa”, Você resmungou, aborrecido por não saber trocar uma pecinha tão simples e decidindo não ligar muito para aqueles pingos tão sem importância. Mas foi exatamente através deles que sua mente embarcou numa espécie de estado alfa.

Aqueles sons, aos poucos, foram conduzindo Você a um cantinho da sonolência, aquém do sono e além da vigília, onde as três notinhas surgiam não mais apenas do som. Brilho, cores, movimento, era tudo uma só vibração como se o Universo inteiro pulsasse naquele ritmo. E por esses compassos aquela palavra boiava no ar, acima da sua cama, desafiando sua mente:

—VAN…GUAR…DA…

$$$

De manhã, Você achou melhor não contar o estranho “sonho~~ a sua mulher. Além do mais, se ela já estava achando o marido meio esquisito por causa dos sintomas do estresse, ficaria assustada se soubesse das letras brilhantes bailando no meio do quarto ao

som das gotinhas da pia e cantando: “VAN. . .GUAR.. .DA…”

-— História mais absurda! Tá doido? — ela diria, pragmática.

Mas Você, tentando decifrar com seus botões aquele enigma, sentia que no fundo alguma mensagem de grande importância para a sua vida estava contida naquela palavri- nha.

Como decifrar o mistério sem ser devorado por interpretações delirantes? “Preciso entender direito isso que aconteceu comigo”, pensou Você, arranjando um pretexto para levantar-se da mesa do café da manhã. No caminho entre a sala e o banheiro, pegou o Aurélio.

Vanguarda. Frente, testa, dianteira. A parcela mais consciente e combativa, ou de idéi- as mais avançadas, de qualquer grupo social. Grupo de indivíduos que, por seus conhecimentos ou por uma tendência natural, exerce papel de precursor ou pioneiro em determinado movimento cultural, artístico, científico, etc.

Vanguardeiro. Que, ou aquele que marcha na vanguarda.       Que, ou aquele que vem na frente.

Talvez sua mulher tenha achado estranho vê-lo sair do banheiro com um dicionário na mão, mas Você tentou agir com naturalidade e engatou uma pergunta bem trivial, do tipo: “Quer que compre pão na volta do trabalho?”

Guardadas na memória, algumas palavras da definição de Vanguarda poderiam já ser uma pista. A parcela mais consciente... de idéias mais avançadas.., papel de precursor ou pioneiro… aquele que vem na frente.

Em frente ao jornaleiro, passa um amigo, indo apressado para o trabalho. Você acena e cumprimenta:

– E aí, como é que vai? Que pressa é essa?

—Vou à luta, meu velho. Correndo atrás do dinheiro!...

Quando Você respondeu “Vai fundo e boa sorte”, seu amigo já ia longe. Mas um lampejo da mensagem noturna de repente se abriu para Você: “Luta? Por que tem que ser lutando? E por que correndo atrás? Não é melhor ir na frente?”

Vanguarda tinha manifestado um primeiro insight na cabeça de Você.

Sobre admin

Sistema de Serviço e de Trabalho em Casa Usando Mala-direta que pode ser Virtual ou seja dentro da Internet ou Serviço em Casa com Mala-direta Manual e ou impresso usando Malas direta por correspondência.

2 Comentários


  1. ….. é engraçado o fato de minha história ser bem parecida com a de ALEX VARGAS no sentido de ter investido em esperança, dinheiro em empresas que prometiam ee no fim nada aconteceu toda essa auto-ajuda vem sempre como uma injeção de que n é agora mas está mais perto do sonho se realizar,obrigada …..

    Responder
  2. Jônica Soares dos Reis

    É A REALIDADE DO POVO BRASILEIRO COM TANTOS COMPROMISSO A HONRAR E POUCO DINHEIRO,REALMENTE PRECISA IR A LUTA!!!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>